press

Clássico natalino o Quebra-Nozes encerra a temporada do Theatro Municipal


Aguardado espetáculo com música de Tchaikovsky e versão de Dalal Achcar terá onze apresentações com o Ballet do TM

quebra-nozes-tmrj-destaque-release-2014

A tradicional temporada da clássica história natalina O Quebra-Nozes, um dos ballets mais populares do mundo, encerra a temporada 2014 da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro, vinculada àSecretaria de Estado de Cultura, a partir de 13 de dezembro. A grande produção, na versão assinada por Dalal Achcar, terá onze apresentações, dando prosseguimento à programação artística elaborada pelo Maestro Isaac Karabtchevsky. Nos papéis principais estarão as primeiras bailarinas Claudia Motae Márcia Jaqueline, além dos solistas Karen Mesquita, Cícero Gomes, Filipe Moreira e Moacir Emanoel, que integram o Ballet do Theatro Municipal, sob a direção de Sergio Lobato. O Maestro Silvio Viegas, Regente Titular da OSTM, conduz a Orquestra Sinfônica e o Coro do TMRJ. A produção com belos cenários e figurinos de José Varona conta ainda com a participação especial dos alunos da Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa.

“O público, e em especial as crianças, aguarda ansiosamente a temporada desta linda obra do ballet clássico mundial, repleta de beleza, magia e encantamento”, comenta Carla Camurati, presidente daFundação TMRJ.

“Tenho uma relação muito especial com este ballet, que dirigi pela primeira vez em 1974, e que passei a dirigir no Theatro Municipal do Rio, desde 1981”, explica Dalal Achcar. “Gosto especialmente porque a história tem uma magia única e desperta um clima de fraternidade que deveríamos ter sempre. É uma obra que agrada a todas as idades”.

A enorme popularidade de O Quebra-Nozes comprova o fascínio exercido nas plateias a partir do encontro do conto de Alexandre Dumas com a música de Tchaikovsky e a coreografia original de Marius Petipa e Lev Ivanov. Sua estreia foi em 1892, na Rússia. A primeira apresentação no ocidente só aconteceu em 1934, no Sadler’s Wells Theatre, em Londres. Desde então, tornou-se um dos ballets mais montados.

“Encerrar o ano com O Quebra-Nozes significa manter uma tradição maravilhosa dentro do Theatro Municipal, tanto por se tratar do mais tradicional ballet de fim de ano de todo o mundo, quanto pelo significado e resultado que este ballet traz consigo”, diz Silvio Viegas, Maestro Titular da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal.

A produção

A grandiosa produção envolve números expressivos. As mudanças dos quatro cenários completos que compõem a montagem são todas feitas em cena aberta por uma equipe de 65 técnicos. Um total de 123 bailarinos – sendo 71 do BTM 52 alunos da Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa – se reveza nas cenas do prólogo e nos dois atos do ballet. Somam-se a isto 89 músicosda Orquestra Sinfônica e 44 coristas do Coro do Theatro Municipal, totalizando 256 pessoastrabalhando diretamente. Para se ter uma ideia do que envolve uma produção deste porte, são usados 60 rolos de esparadrapo e 400 pares de sapatilhas, desde os ensaios até o fim da temporada.

“A história lúdica de O Quebra-Nozes ganha um brilho especial com a concepção e a coreografia de Dalal Achcar, que fez uma encantadora versão da criação original dos grandes coreógrafos Marius Petipa e Lev Ivanov”, comenta Sergio Lobato, diretor do BTM.

A história

O ballet conta a história da menina Clara, que ganha do padrinho um quebra-nozes em formato de soldadinho e se encanta pelo presente. Ela fica desolada, no entanto, quando um de seus irmãos, que fica enciumado toma-lhe o brinquedo, atira-o ao chão e bate-lhe com o pé, quebrando-o. O padrinho a consola e conserta o brinquedo. Ela vai dormir e, a partir daí, a magia toma conta do ballet: Clara sonha que um exército de ratos está invadindo o salão. O boneco quebra-nozes adquire vida e ataca os ratos, comandando um exército de soldadinhos de chumbo. O “Rei dos Ratos” fere o boneco que, desarmado, está prestes a perder a batalha, quando Clara o salva, atirando seu sapato na cabeça dele. A menina sente a presença do padrinho, que, num passe de mágica, transforma o boneco em um belo príncipe.

O príncipe a conduz ao “Reino das Neves” e depois ao “Reino dos Doces”, onde vive a “Fada Açucarada”, que homenageia a menina com uma grande festa, com danças típicas da Espanha, China, Rússia, entre outras, e com um pas-de-deux da “Fada Açucarada”. O espetáculo continua com uma sucessão de danças de diversas regiões do planeta, e outras que simbolizam o café, os chocolates, as flores e, por fim, o pas-de-deux entre a fada e o príncipe. Ao final, todos dançam a valsa de despedida para Clara e o Príncipe, que retornam para casa. Será que Clara sonhou?

Sucesso desde sua estreia, no início deste ano, o projeto Falando de Ballet terá mais uma edição nesta temporada. Serão palestras gratuitas com uma hora de duração sobre o espetáculo a ser apresentado – aos moldes das opera talks realizadas habitualmente em teatros europeus –, com início uma hora e meia antes do começo da sessão, no Salão Assyrio. O palestrante será Paulo Melgaço, professor da Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa, que falará sobre a história deste ballet, abordando também detalhes desta montagem.

Solistas

Márcia Jaqueline (Fada Açucarada)

Márcia Jaqueline, natural do Rio de Janeiro, iniciou seus estudos de ballet clássico aos 9 anos de idade na Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa, onde aos 14 se formou, obtendo sempre nota máxima. Com apenas 14 anos, ingressou no Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Desde 2007 ocupa o cargo de Bailarina Principal, recebendo elogios por suasperformances de toda crítica de dança no Brasil. É detentora de diversos prêmios em concursos nacionais, tais como: Primeiro Lugar e Bailarina Revelação do Concurso Brasileiro de Dança (CBDD – RJ); Primeiro Lugar no Festival de Danças de Joinville; Primeiro Lugar no Festival de Dança Alice Arja (RJ), entre outros. Participou como solista convidada de várias galas em cidades do Brasil e do exterior, dentre elas: Gramado (RS), Brasília (DF), São Paulo (SP), Natal (RN), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Bahia (BA), Corumbá (MS), São Luís (MA), Belém (PA) Campos de Goytacazes (RJ), Campina Grande (PB), Londrina (PR), Indaiatuba (SP), Montevidéu e Punta Del Este (Uruguai), Assunción (Paraguai) e Toronto (Canadá). Em setembro representou o Brasil na Gala Internacional de Miami. Em seu repertório estão incluídos papéis principais de montagens como O Lago dos CisnesLa Bayadére, Onegin, Paquita, La Fille Mal GardéeRaymondaSerenadeA Bela Adormecida, Don Quixote, L’Arlésienne, Carmen, Giselle, Coppélia, O Quebra-Nozes, Voluntaries, Floresta Amazônica.

Claudia Mota (Fada Açucarada)

Carioca, é formada pela Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa. Trabalhou com Fernando Alonso, no Ballet de Camagüey, Cuba. Aperfeiçoou-se no Ballet Dalal Achcar com Miriam Guimarães, Maria Luísa Noronha e Sergio Lobato. Atualmente faz um trabalho de aprimoramento com Pedro Krazskzuk e Cecília Kerche. É Primeira Bailarina do Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro desde 2007. De seu repertório constam os primeiros papéis nos principais ballets de repertório da Companhia, incluindo as obras de Balanchine. Primeira bailarina brasileira a interpretar Carmen de Roland Petit no Brasil. Foi considerada por Vasiliev a melhor intérprete de Lady Capuleto, em sua versão de Romeu e Julieta. Fez intercâmbio no American Ballet Theatre e San Francisco Ballet, indicada por Makarova e Dalal Achcar. Apontada como um dos maiores talentos dos últimos anos do Theatro Municipal e do país, foi agraciada com o Diploma de Melhores de 2005, pela Sociedade Cultural Latino-Americana. Participou como bailarina convidada da Companhia do Ballet Concierto, dançando o ballet Giselle com o bailarino Iñaki Urlezaga em turnê pela Argentina. A convite do Maître de Ballet Pedro Pablo Peña participou da Internacional Gala of Étoiles of Miami, EUA.

Karen Mesquita (Fada Açucarada)

Natural do Rio de Janeiro, Karen iniciou seus estudos de dança aos 3 anos de idade no Grupo Cultural de Dança Ilha, concluindo-os em 2006. No mesmo ano, ingressou na Akademie Des Tanzes Mannheim, Alemanha. Fez parte do corpo de baile da Badisches Staatstheater Karlsruhe, direção de Birgit Keil. Voltando ao Brasil entrou para a Cia. Brasileira de Ballet, em 2009, participando, em nosso país, das temporadas em São Paulo e Minas Gerais e, internacionalmente, no Principado Mônaco, como intérprete da Fada Açucarada em O Quebra-Nozes, e de Mercedes e Quitéria em Don Quixote. Em 2010 entra para o Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, participando ativamente como solista das obras de grandes coreógrafos como: Carmen, de Roland Petit; O Quebra-Nozes Don Quixote, com versão de Dalal Achcar; Nascimento, de David Parsons; Giselle, de Peter Wright; Romeu e Julieta e Onegin, de John Cranko; e A Criação, de Uwe Scholz.

Cícero Gomes (Príncipe Quebra-Nozes)

Formado pela Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa, estudou também na Escola de Ballet da Ópera de Viena (Áustria) e na Elmhurst School for Dance by Birmingham Royal Ballet (Inglaterra). Foi bailarino da Cia. Jovem El Passo de Dança, recebendo boas críticas, com destaque para as publicadas no Jornal do Brasil (RJ), O Globo (RJ), Revista Veja (RJ), Jornal A Notícia (SC), Jornal Liberal (PA), Diário do Nordeste (CE) e Diário de Pernambuco (PE). Participa frequentemente de Galas e Festivais em todo território brasileiro e fora do país. Entre suas partners distinguem-se as grandes bailarinas Ana Botafogo, Áurea Hammerlli, Márcia Jaqueline, Cristiane Quintan, Priscilla Mota e Bettina Dalcanale. Em sua formação clássica e contemporânea trabalhou com célebres maîtres e coreógrafos, como Dennis Gray, Dalal Achcar, Alan Leroy, Luiz Arrieta, Boris Storjokov, Erick Frederick, Vasili Sulich, Desmond Kelly, Peter Wright, Marco Pierin, Luiggi Bonino, Jean Philippe Halnaut, Cyril Atanassof, Márcia Haydée e David Parsons. Seu repertório clássico inclui O Lago dos Cisnes, Giselle, Coppélia, O Quebra-Nozes, Don Quixote, Floresta Amazônica, La Bayadère, Esmeralda, Diana e Acteon, Chamas de Paris, A Bela Adormecida, Gopak, Arlequinade, La Sylphide, O Corsário, Paquita, Romeu e Julieta, Onegin, Carmen e L’Arlésienne.

Filipe Moreira (Príncipe Quebra-Nozes)

Paulistano, Filipe iniciou seus estudos de ballet clássico no Núcleo de Dança Nice Leite e Ilara Lopes. Trabalhou também com Ismael Guiser e Tony Sá. Em 2003 ingressou no Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, destacando-se desde então como solista, dançando todo o repertório da Cia. Foi reconhecido pela crítica e pelo público como um dos maiores talentos dos últimos tempos, dado a sua virilidade, excelência técnica, física e interpretativa. No BTM, desempenhou com sucesso os primeiros papéis nos ballets O Lago dos CisnesA Bela Adormecida, O Quebra-Nozes, RaymondaCoppélia,GiselleFloresta Amazônica de Dalal Achcar, Onegin e Romeu e Julieta de John Cranko, além de Carmende Roland Petit. Em 2010 integrou como solista a São Paulo Companhia de Dança. Filipe é convidado para representar o Ballet do Theatro Municipal e o Brasil em várias Galas e Festivais Internacionais. Recentemente apresentou-se na Gala Internacional de Miam.

Moacir Emanoel (Príncipe Quebra-Nozes)

Moacir é natural de Maringá-Paraná e estudou na Escola do Teatro Guaíra em Curitiba, na Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, em Joinville-SC, e na Cia. Brasileira de Ballet no Rio de Janeiro. Recebeu diversas premiações em Festivais no Brasil e na Europa. Estudou com importantes professores da dança como Tadheo de Carvalho, Henrique Talmah, Mario Nascimento, Ilara Lopes e Jorge Teixeira. Desde 2010, integra o Corpo de Baile do Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e, em 2012, foi nomeado Primeiro Solista. Apresentou-se com destaque nos ballets Romeu e Julieta (Paris) e Onegin (Gremin) de John Cranko, e nos primeiros papéis de O Quebra-Nozes (Príncipe das Neves), versão Dalal Achcar,L’Arlésienne (Frederi), de Roland Petit, e O Lago dos Cisnes (pas-de-trois) de Yelena Pankova.

Silvio Viegas, regência

Silvio Viegas é Mestre em Regência pela Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais. Com apenas 22 anos, foi agraciado com uma bolsa de estudos, indo estudar regência na Itália. Em 2001, ficou com o primeiro lugar no Concurso Nacional “Jovens Regentes”, organizado pela Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB).  Silvio Viegas tem uma ligação estreita com a dança, tendo dirigido, no Theatro Municipal do RJ, os ballets GiselleCoppéliaRaimonda, O Quebra-Nozes, O Lago dos Cisnes e Carmen de Roland Petit. Tem atuação de destaque no meio operístico regendo óperas como Così fan TutteLe Nozze di Figaro e A Flauta Mágica de Mozart, Tiradentes de Manuel Joaquim de Macedo, La Bohème e Tosca de Puccini, O Barbeiro de Sevilha de Rossini, Carmen de G. Bizet, Cavalleria Rusticana de P. Mascagni, Il Trovatore e Nabucco de Verdi, Romeu e Julieta de Gounod, Lucia di Lammermoor de Donizetti e, mais recentemente, O Holandês Voador de Wagner, na Argentina.

Esteve à frente das Orquestras Sinfônica Brasileira, Petrobras Sinfônica, Orquestra do Teatro da Paz, Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro, Sinfônica de Minas Gerais, Filarmônica do Espírito Santo, Sinfônica do Paraná, Jazz Sinfônica de São Paulo, Sinfônica de Burgas (Bulgária), Sinfônica do Festival de Szeged (Hungria), Orquestra do Algarve (Portugal), Coro e Orquestra Sinfônica del Sodre (Uruguay) e Orquestra Sinfônica do Teatro de La Plata (Argentina), entre outras. Foi Diretor Artístico da Fundação Clóvis Salgado – Palácio das Artes de 2003 a 2005 e, atualmente, é o Maestro Titular da Orquestra Sinfônica da casa. É também Professor de Regência na Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais. Entre suas apresentações na temporada 2012/2013 estão concertos com a Orquestra Sinfônica de Roma, Filarmônica do Amazonas e dois concertos dentro da Temporada Sinfônica da Arena de Verona, na Itália.

Serviço

Ficha técnica:

Ballet O Quebra-Nozes
Ballet, Orquestra Sinfônica e Coro do Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Música: Piotr Ilitch Tchaikovsky
Regência: Silvio Viegas

Concepção, Coreografia e Mise-en-Scène: Dalal Achcar

Com base na criação original de Marius Petipa e Lev Ivanov
Cenários e Figurinos: José Varona
Diretor do Corpo de Baile: Sergio Lobato

Solistas:

Márcia Jaqueline e Moacir Emanoel (dias 13, 14, 17, 18 e 20/12)

Karen Mesquita e Filipe Moreira (dia 19/12)

Karen Mesquita e Cícero Gomes (dias 21 e 26/12)

Claudia Mota e Moacir Emanoel (dias 27, 28 e 29/12)

Participação especial:

Alunos da Escola de Dança, Artes e Técnicas do Theatro Municipal Maria Olenewa

Direção: Maria Luísa Noronha


Este evento é realizado pela empresa THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO, que responde pela promoção, produção e organização do evento em geral. Qualquer assunto relacionado à venda de ingressos deve ser tratado diretamente com as empresas responsáveis por sua comercialização.
A MIDIORAMA é responsável somente pela ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO deste evento, não tendo qualquer envolvimento ou responsabilidade sobre a produção, organização, venda de ingressos, agenda ou programação.


Serviço


Rio de Janeiro 13 de novembro (TMRJ)

Data:
13 de novembro

Local:
TMRJ (Praça Floriano s/n° - Centro)

Horário:
Às 17h, 20h ou 20h30

Duração:
2 horas, com intervalo

Classificação:
Livre

Mais informações:

Datas:

13, 20 e 27, às 20h30
14, 21 e 28, às 17h
17, 18, 19, 26 e 29, às 20h

Preços:

  • Frisas e camarotes – R$ 600,00
  • Plateia e balcão nobre – R$ 100,00
  • Balcão superior – R$ 80,00
  • Galeria – R$ 50,00
  • Desconto de 50% para estudantes e idosos.

Palestra Falando de Ballet:

Apresentação: Paulo Melgaço

Salão Assyrio / Avenida Rio Branco, s/nº – Centro

Entrada Franca, mediante a apresentação do ingresso (todos os dias da temporada, com início sempre 1h30 antes do espetáculo)

Duração: 60 minutos

Formulário de credenciamento


Instituição

Editoria

Credenciado 1

Press Kit


Galeria de Imagens

Faça o download do Press Kit


Deixe seu comentário


Envie sua matéria


Anexar imagem de destaque